Diabetes: sintomas e diagnóstico

O QUE É DIABETES?


Os alimentos sofrem digestão e se transformam em açúcar – chamada de glicose – que é absorvida no intestino, vai para o sangue, que a distribui aos órgãos, onde  é utilizada na produção de energia para a manutenção das funções vitais. A utilização da glicose depende da presença da insulina, um hormônio produzido pelo pâncreas. Quando a glicose não é bem utilizada pelo organismo, por redução da ação e/ou da quantidade de insulina,  ela se eleva no sangue,  o que chamamos de hiperglicemia.

Diabetes é um grupo de doenças, determinado por várias causas. O diabético possui redução da ação e/ou da quantidade de insulina, com o consequente aumento dos níveis de glicose no sangue.

 

QUAIS SÃO OS SINTOMAS DE DIABETES ?
Aproximadamente metade dos portadores de diabetes tipo 2 ( tipo mais comum de diabetes) desconhecem sua condição, uma vez que a doença traz poucos sintomas.
Quando presentes, os sintomas mais comuns são:
– Urinar excessivamente (inclusive acordar várias vezes à noite para urinar);
– Sede excessiva;
– Aumento do apetite/fome;
Perda de peso imotivada (em pessoas obesas a perda de peso ocorre mesmo estando comendo de maneira excessiva);
Cansaço fácil;
Visão turva/embaçada;
Infecções frequentes (mais comumente as infecções de pele).

 

 

QUEM DEVE SER AVALIADO PARA O DIAGNÓSTICO DE DIABETES?

O diagnóstico precoce do diabetes é muito importante, pois o tratamento regular evita que o paciente tenha suas complicações, que são muito comuns e graves.
Qualquer pessoa que esteja com um ou mais dos sintomas acima descritos, deve procurar imediatamente um médico para realização de exames que esclarecerão o diagnóstico.
Aqueles pacientes sem sintomas, devem procurar um médico para avaliação diagnostica do diabetes, se:
Idade for maior que 45 anos;
– Idade for menor que 45 anos, e tiverem qualquer um dos fatores de risco: hipertensãoobesidade;  parente de 1o grau com diabetes; descendência afro ou hispano-americana;  mulheres que tiveram bebês com peso maior que 4,5 Kg, ou que tiveram diabetes enquanto estavam grávidas; possuírem HDL-colesterol <35 mg/dL e/ou Triglicerídeos > 250mg/d;  já tiveram alguma alteração no resultado da glicose em algum exame laboratorial já realizado.

diabetes-300x287

Fonte bibliográfica:
– Diretrizes de Diabetes 2014/2015 – Sociedade Brasileira de Diabetes

Imagens:
– Divulgação

post

Acúmulo de gordura no fígado

Hábitos alimentares inapropriados e sedentarismo, práticas comuns atualmente, determinam ganho de peso ao longo do tempo.
A obesidade, principalmente a obesidade central – traduzida por cintura abdominal maior que  102  cm nos homens, e 88 cm nas mulheres – associa-se com doenças muito prevalentes na população, como o aumento da pressão arterial,  o aumento dos níveis de colesterol,  o diabetes mellitus, entre outras.

Consequente às essas doenças, instalam-se complicações cardiovasculares, renais e retinianas, e até alguns tipos de neoplasias malignas. Mais recentemente, a doença hepática gordurosa não alcoólica, tipo mais comum de esteatose hepática (acúmulo de gordura no fígado), vem ganhando destaque entre as doenças associadas ao excesso de peso.

Estima-se que 3 a cada 10 indivíduos ocidentais possuem esteatose hepática.
O fato de o paciente ter gordura depositada no fígado aumenta o risco de doenças cardíacas e vasculares em quase 2 vezes. Além do mais, a gordura determina inflamação no fígado, causando uma hepatite, que dentro de alguns anos, pode evoluir para cirrose com suas consequências (câncer de fígado e transplante hepático).

O diagnóstico da esteatose hepática, na grande maioria dos pacientes é feito com exames de imagem ou exames laboratoriais, pois infrequentemente sintomas como desconforto abdominal, cansaço e mal estar, estão presentes. Outras causas de acúmulo de gordura no fígado devem ser investigadas e excluídas, como a presença de outras doenças hepáticas, e uso de  medicamentos ou  substâncias tóxicas, como o álcool. Caso permaneçam dúvidas, uma biópsia do fígado pode ser solicitada.

O tratamento da doença com medicamentos específicos ainda deixa a desejar. No entanto, é indicada a modificação dos hábitos de vida objetivando a  perda de peso,  além do tratamento dos níveis elevados de colesterol e de açúcar.
Assim, antes ainda de precisarmos tratar, vamos todos prevenir esta doença, mantendo hábitos de vida saudáveis, e o peso o mais próximo possível do ideal.

 

Fontes Bibliográficas:
– Chalasani N, Younossi Z, Lavine JE, Diehl AM, Brunt EM, Cusi K, et al. The diagnosis and management of non-alcoholic fatty liver disease: practice Guideline by the American Association for the Study of Liver Diseases, American College of Gastroenterology, and the American Gastroenterological Association. Hepatology 2012 Baltimore, Md. Jun;55(6):2005-23.
– Sociedade Brasileira de Hepatologia
– Sociedade Brasileira de Diabetes