post

Hábitos alimentares inapropriados e sedentarismo, práticas comuns atualmente, determinam ganho de peso ao longo do tempo.
A obesidade, principalmente a obesidade central – traduzida por cintura abdominal maior que  102  cm nos homens, e 88 cm nas mulheres – associa-se com doenças muito prevalentes na população, como o aumento da pressão arterial,  o aumento dos níveis de colesterol,  o diabetes mellitus, entre outras.

Consequente às essas doenças, instalam-se complicações cardiovasculares, renais e retinianas, e até alguns tipos de neoplasias malignas. Mais recentemente, a doença hepática gordurosa não alcoólica, tipo mais comum de esteatose hepática (acúmulo de gordura no fígado), vem ganhando destaque entre as doenças associadas ao excesso de peso.

Estima-se que 3 a cada 10 indivíduos ocidentais possuem esteatose hepática.
O fato de o paciente ter gordura depositada no fígado aumenta o risco de doenças cardíacas e vasculares em quase 2 vezes. Além do mais, a gordura determina inflamação no fígado, causando uma hepatite, que dentro de alguns anos, pode evoluir para cirrose com suas consequências (câncer de fígado e transplante hepático).

O diagnóstico da esteatose hepática, na grande maioria dos pacientes é feito com exames de imagem ou exames laboratoriais, pois infrequentemente sintomas como desconforto abdominal, cansaço e mal estar, estão presentes. Outras causas de acúmulo de gordura no fígado devem ser investigadas e excluídas, como a presença de outras doenças hepáticas, e uso de  medicamentos ou  substâncias tóxicas, como o álcool. Caso permaneçam dúvidas, uma biópsia do fígado pode ser solicitada.

O tratamento da doença com medicamentos específicos ainda deixa a desejar. No entanto, é indicada a modificação dos hábitos de vida objetivando a  perda de peso,  além do tratamento dos níveis elevados de colesterol e de açúcar.
Assim, antes ainda de precisarmos tratar, vamos todos prevenir esta doença, mantendo hábitos de vida saudáveis, e o peso o mais próximo possível do ideal.

 

Fontes Bibliográficas:
– Chalasani N, Younossi Z, Lavine JE, Diehl AM, Brunt EM, Cusi K, et al. The diagnosis and management of non-alcoholic fatty liver disease: practice Guideline by the American Association for the Study of Liver Diseases, American College of Gastroenterology, and the American Gastroenterological Association. Hepatology 2012 Baltimore, Md. Jun;55(6):2005-23.
– Sociedade Brasileira de Hepatologia
– Sociedade Brasileira de Diabetes